Pular para o conteúdo principal

Dia do Índio... vamos refletir sobre esta mensagem que um dia ele nos mandou...


A mensagem do índio Seattle
ao grande chefe branco de Washington.


Em 1854, o grande chefe branco de Washington
fez uma oferta de compra de uma grande 
extensão de terras índias, 
prometendo criar uma "reserva" para o povo índio.


A resposta do chefe Seattle
tem sido descrita como a declaração mais bela 
e mais profunda que jamais foi feita
sobre o meio ambiente.

Como se pode comprar ou vender o firmamento, 
ou ainda o calor da terra?

Tal idéia nos é desconhecida.
Se não somos donos da frescura do ar 
nem do fulgor das águas, 
como poderão vocês comprá-los?
Cada parcela desta terra é sagrada para o meu povo.
Cada brilhante mata de pinheiros, 
cada grão de areia nas praias, 
cada gota de orvalho nos escuros bosques, 
cada outeiro e até o zumbido de cada inseto, 
é sagrado para a memória
e para o passado do meu povo. 
A seiva que circula nas veias das árvores
leva consigo a memória dos Peles-Vermelhas.
Os mortos do Homem Branco
esquecem-se do seu país de origem
quando empreendem as suas viagens no meio das estrelas;
ao contrário, os nossos mortos nunca podem esquecer-se 
desta bondosa terra, 
pois ela é a mãe dos Peles-Vermelhas.

Somos parte da terra


e do mesmo modo ela é parte de nós próprios. 
As flores perfumadas são nossas irmãs,
o veado, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos;
as rochas escarpadas, os úmidos prados,
todos pertencem à mesma família.
Por tudo isto, quando 
o Grande Chefe de Washington
nos envia a mensagem 
de que quer comprar as nossas terras,
está a pedir-nos demasiado. 
Também o Grande Chefe
nos diz que nos reservará um lugar 
em que possamos viver
confortavelmente uns com os outros.
Ele se converterá, então,
em nosso pai e nós em seus filhos.
A água cristalina que corre nos rios
não é somente água: 
representa também o sangue dos nossos antepassados.
Se lhes vendermos a terra 
devem recordar-se que ela é sagrada e, 
ao mesmo tempo, ensinar aos vossos filhos que ela é sagrada 
e que cada reflexo nas claras águas dos lagos 
conta os acontecimentos e memórias
das vidas das nossas gentes.
O murmúrio da água é a voz do pai do meu pai.
Os rios são nossos irmãos e saciam a nossa sede; 
são portadores das nossas canoas
e alimentam os nossos filhos. 

Sabemos que o Homem Branco
não compreende o nosso modo de vida. 
Ele não sabe distinguir um pedaço de terra de outro,
A terra não é sua irmã mas sim sua inimiga e,
uma vez conquistada, ele segue o seu caminho, 
deixando atrás de si a sepultura de seus pais, 
sem se importar com isso.
Não sei mas a nossa maneira de viver
é diferente da vossa.
Só de ver as vossas cidades
entristecem-se os olhos do Pele-Vermelha.
Mas talvez seja porque o Pele-Vermelha
é um selvagem e não compreende nada.
Não existe um lugar tranqüilo 
nas cidades dos Homens Brancos, 
não há lugar onde escutar como desabrocham
as flores das árvores na Primavera 
ou como esvoaçam os insetos.
O ar tem um valor inestimável para o Pele-Vermelha, 
uma vez que todos os seres partilham um mesmo alento
o animal, a árvore, o homem, todos respiramos o mesmo ar.
O Homem Branco não parece estar consciente
do ar que respira..

O vento, que deu aos nossos avós o primeiro sopro de vida,
também recebe os seus últimos suspiros.
E, se lhes vendermos as nossas terras, 
devem conservá-las como coisa à parte e sagrada, 
como um lugar onde até o Homem Branco
possa saborear o vento perfumado 
pelas flores das pradarias.
A terra não pertence ao Homem,
pertence à terra.
Sabemos uma coisa que talvez 
o Homem Branco descubra um dia:
o nosso Deus é o mesmo Deus.
Vocês podem pensar nesta altura que
Ele vos pertence
do mesmo modo como desejam 
que as nossas terras vos pertençam;
porém, não é assim. Ele é o Deus dos homens
e a Sua compaixão reparte-se por igual 
entre o Pele-Vermelha e o Homem Branco.


Esta terra tem um valor inestimável para Ele, 
e, se a estragamos, isso provocaria a ira do Criador. 
Contudo, vocês caminharão para a vossa destruição.

(ACHO QUE ESTE TEMPO CHEGOU)
Destruição por todo lado
e o homem caminha como se nada pudesse fazer.

AINDA PODEMOS ACORDAR
E CUIDAR MAIS DO NOSSO PLANETA...

Vamos acordar???

Postagens mais visitadas deste blog

MAIS UM DIA... Que seja de muita cor, muita PAZ... MUITAS BENÇÃOS!

O girassol irradia luz, é movido pela luz,  não perde tempo com as sombras,  com o artificial, com o genérico. 

Nós devemos aprender essa grande lição  com esta majestosa flor,  não devemos e nem podemos perder tempo com as sombras,  estejamos sempre voltados para o nosso Sol,  o mais lindo Sol: Deus!

Deus é o nosso sol e podemos ser alguém se n'Ele  os nossos olhos, o nosso coração, a nossa vida  não tiverem voltados.

Sem Deus, somos pessoas vazias, sem luz.
DEUS É PAZ... É LUZ, COR, TUDO EM NOSSAS VIDAS!

Orquídeas, uma paixão... saiba como cuidar delas!

Você tem paciência para esperar um ano que uma planta floresça?
Cultivar orquídeas é mais fácil do que se pensa 
Na grande maioria, as orquídeas brasileiras são epífitas,
isto é, crescem presas às árvores, sem, contudo,
roubar delas quaisquer nutrientes.
As raízes são usadas apenas para fixar
a planta no caule das árvores. 
Ao escolher o que vai cultivar, dê preferência
a espécies adaptadas a sua região.

Como as orquídeas florescem apenas uma ou duas vezes por ano,
 é interessante possuir várias espécies diferentes
(cujo ciclo de floração costuma ser também diferente).

Isso aumenta as chances de ter sempre alguma planta florida. 


Não colete ou adquira plantas oriundas das matas,
pois as orquídeas já foram bastante dilapidadas
pelos mateiros e colecionadores gananciosos.  Procure adquiri-las de empresas produtoras de mudas  ou de orquidófilos que tenham plantas disponíveis. 
Irrigação: 

Mantenha o vaso úmido, jamais encharcado.

É mais fácil matar uma orquídea 
por excesso do que por falta…

A lenda do Ipê...

Ela diz o seguinte:
Naqueles tempos, o inverno estava nos seus últimos dias e todas as árvores da floresta estavam começando a florescer.
Somente os ipês continuavam sem flores.  Os ipês, cada vez mais se entristeciam com aquela situação.  Eles eram os únicos que não tinham nem flores nem frutos. 
Então, os amarelos canários da terra, percebendo a tristeza dos ipês, resolveram fazer seus ninhos somente nos galhos de um dos ipês. 
E ninhais também foram feitos pelas araras vermelhas e azuis e os sanhaços em outro; as garças brancas em outro,  as siaciras em outro, e num outro ipê menos imponente, foram os periquitos, jandaias, maritacas e papagaios. 
Os ipês ficaram muito felizes e resolveram pedir à Providência Divina que lhes dessem flores, como forma de agradecimento  aos canários da terra, e a todos os outros pássaros da floresta, pela alegria que tinham levado a eles.
No dia seguinte, dizem; sob o mais belo céu azul que aqueles sertões já conheceram, os ipês floresceram, em vária…